quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Aplicação "Clave de Fala" pretende dar voz a quem precisa

Intuitiva, prática, rápida e user friendly são algumas das características desta nova aplicação gratuita, dividida por seis categorias – saúde, transportes, direitos, alimentação, compras e direções.


Possibilitar que as pessoas com limitações da voz comuniquem de forma eficaz no seu quotidiano, promovendo a inclusão, é o objetivo da aplicação “Clave de Fala”, desenvolvida por seis estudantes do terceiro ano da licenciatura em Engenharia Informática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

André Correia, António Eloi, Cláudio Gomes, Joana Lameiras, Pedro Silva e Telma Portugal são os autores desta aplicação (app) que, a partir de hoje (5 de dezembro), pode ser descarregada, de forma gratuita na Play Store (nesta fase apenas disponível em versão Android).

 A Clave de Fala foi criada no âmbito da cadeira de Processos de Gestão e Inovação (PGI), uma unidade curricular do curso, e a ideia surgiu justamente porque um dos elementos do grupo tem um problema auditivo e já “sentiu na pele” alguns embaraços na comunicação.

Coisas tão simples como «ir à farmácia pedir um medicamento para a gripe pode ser uma tarefa complicada», ilustram os autores da app. Muitas vezes, prosseguem, «devido às suas dificuldades de comunicação, as pessoas limitadas da voz, pessoas com limitações na fonação, tendem a isolar-se. Por isso, a nossa missão é ajudar. É aqui que entra a nossa aplicação, dar uma nova voz a quem mais precisa

Intuitiva, prática, rápida e user friendly são algumas das características desta nova aplicação, dividida por seis categorias – saúde, transportes, direitos, alimentação, compras e direções. Cada uma delas gera frases rápidas de acordo com as necessidades do utilizador, não sendo necessário escrever. No entanto, a qualquer momento, a frase pode ser editada. Também tem uma opção para transformar o texto em mensagem de voz.

Por outro lado, sublinham os estudantes da FCTUC, «a aplicação possui uma backend que aprende continuamente com o perfil e com as ações do utilizador, de forma a sugerir a melhor frase possível a qualquer momento».

O processo de desenvolvimento da Clave de Fala contou com o apoio da Associação Portuguesa de Limitados da Voz (APLVoz). «Foi essencial ouvir a APLVoz. Percebemos melhor as reais necessidades destas pessoas e permitiu dotar a aplicação com as respostas mais adequadas», afirmam.

Para que a aplicação possa ser melhorada, os autores vão colocar o código (software) em domínio público. Assim, «outros estudantes, investigadores ou simplesmente pessoas com curiosidade e vontade de ajudar vão poder contribuir para este projeto social», finalizam André Correia, António Eloi, Cláudio Gomes, Joana Lameiras, Pedro Silva e Telma Portugal.

Mais informação sobre o projeto disponível:



terça-feira, 13 de novembro de 2018

Merendeiras



No passado dia 30 de outubro o grupo de educação especial e os alunos do nosso Agrupamento foram para a cozinha da Escola sede fazer os doces típicos dos Santos, as merendeiras!

As merendeiras são  tradicionais um pouco por todo o país e de forma muito marcada também no concelho de Ansião. É já uma tradição do nosso grupo a sua confeção com os alunos.

Os nossos alunos foram uns cozinheiros muito dedicados, uns verdadeiros profissionais!

Foi uma manhã muito bem passada e as nossas merendeiras, modéstia à parte, ficaram uma verdadeira delícia!





segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O outono


O outono!
Chegaram os dias frios e chuvosos. Vestem-se as roupas quentinhas!
A mudança da hora ocorreu este fim de semana e as folhas coloridas inundam o chão das nossas escolas, aldeias, vilas e cidades.
Com o outono vieram outros frutos e legumes: os figos, os dióspiros, as nozes, as castanhas, as uvas, as abóboras... e com eles os doces e as compotas!
Aguardamos ansiosamente pelo verão de São Martinho...

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Olá a todos!

Bem-vindos a mais um recomeço do ano letivo!

Este ano letivo está recheado de novidades e de muito trabalho para os professores e comunidade educativa, visto que, foi publicada nova legislação: o Decreto-lei nº 55/2018 e o Decreto-lei nº 54/2018, que preconizam a flexibilidade curricular e uma escola para todos.

No dia 6 de julho, foi publicado o Decreto-lei nº 54/2018 que vêm substituir o Decreto-lei nº3 /2018, que regulamentou a educação especial durante os últimos 10 anos.

O Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho estabelece os princípios e as normas que garantem a inclusão, enquanto processo que visa responder à diversidade das necessidades e potencialidades de todos e de cada um dos alunos, através do aumento da participação nos processos de aprendizagem e na vida da comunidade educativa.
Este novo decreto-lei preconiza uma escola inclusiva onde todos e cada um dos alunos, independentemente da sua situação pessoal e social, encontram respostas que lhes possibilitam a aquisição de um nível de educação e formação facilitadoras da sua plena inclusão social. O decreto-lei entra em vigor no início do ano escolar de 2018/2019.

 
Boas leituras!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Patinhas que ajudam...!

No passado dia 17 de abril, com o objetivo de lembrar o Dia Mundial da Consciencialização do Autismo (assinalado a 2 de abril), o Departamento de Educação Especial promoveu para encarregados de educação e respetivos educandos com necessidades educativas especiais, a atividade "Terapia Assistida por animais;o que é?", dinamizada pela profissional Sara Batista, Terapeuta Ocupacional.
A atividade distribui-se por dois períodos distintos : primeiro momento, uma sessão de esclarecimento e informação do que é a terapia assistida por animais e um segundo momento em que os amigos de quatro patas foram os protagonistas.
O entusiasmo e a alegria estiveram sempre marcados nos rostos dos nossos alunos.

Obrigada Terapeuta Sara Batista!......

 
 
 




segunda-feira, 19 de março de 2018

E porque para nós os nossos pais são uns heróis....


As prendinhas que elaboramos com ajuda dos nossos professores para oferecer ao pai.